4 Followers
14 Following
renata

Anotações Literárias

Currently reading

A Sombra do Vento (El Cemeterio de los Libros Olvidados #1)
Carlos Ruiz Zafón, tradução: Marcia Ribas
Oscura Traición
Larissa Ione
Estilhaça-Me  - Tahereh Mafi Não sei bem por onde começar...

Bem, talvez dizendo que este livro é mais um romance do que uma distopia. A distopia foi usada mais como um "pano de fundo" para a história e achei bem fraquinho como foi abordado no livro - não sei em relação aos próximos livros da saga, mas neste foi assim. Quando percebi isso - não sei em qual parte do livro -, então pensei que, está bem, vamos olhar por este lado e deixar de lado o que seria o assunto do livro, quem sabe mesmo assim não goste?

Bom, no geral, até que gostei da história, do romance em si, embora não seja nada demais. Tinha também um bom ritmo, o que talvez de algum modo colaborou que me prendesse um pouco a atenção para continuar lendo e querendo saber mais da história - se tivesse me entediado, aí que não daria para continuar de forma alguma, mas explico o porque mais abaixo.
Gostei dos personagens - ao menos nenhum me irritou -, embora também eles não sejam lá memoráveis. A protagonista Juliette, não era uma heroína em um sentido de que era a mais forte eem tudo e lutava contra tudo e todos, mas também não era do tipo insuportável. Por tudo que ela passou, era de se esperar certos comportamentos. Gostei do Adam, do James, do Kenji...

Olha, se fosse só por isso era provável que daria umas 3 ou talvez até 4 estrelas, porque achei a história legalzinha, nada inesquecível, porém daria para passar um bom tempo e se distrair com algo mais leve.

Só que... se a balança já não pendia tão alta por causa da história, despencou de vez para o lado baixo, por causa da... escrita.

Oh céus... por onde começar a falar dessa escrita...

Foi tão má, mas tão má, que se fosse só por isso daria menos 20 estrelas! Eu não consigo entender porque de escrever desse jeito se tinha uma história que simplesmente serviria como um entretenimento, que poderia ser interessante - acabar sendo assim algo desse tipo!

Antes de pensar em comprar o livro e mesmo quando fui me decidir que queria lê-lo, li algumas opiniões e muitas delas diziam que havia muitos riscos durante a leitura, no texto, e aí fiquei preparada para que viesse isso e até que me irritasse por isso - muitas pessoas se irritaram.

Durante a leitura, me incomodou bastante esses riscos, porém, nada me irritou tanto quanto outras coisas nessa escrita:

INÚMERAS AS VEZES EM QUE SE REPETIAM PALAVRAS NUMA MESMA FRASE! Era 3, 4, 5(!) vezes repetidas as palavras em uma mesma frase, em que eu ficava me perguntando o POR QUE disso! Ah, também haviam as FRASES repetidas!

Vamos aos exemplos:

"...Decidi que suas ações eram mais imaturas que ameaçadoras. Ele me parece tão familiar tão familiar tão familiar."...

"...Seus lábios seus lábios seus lábios seus lábios"

"...Minha pele está suando frio, meus dedos tremem de repulsa, minhas pernas são incapazes de suportar o esbanjamento o esbanjamento o esbajamento o esbanjamento egoísta nestas quatro paredes..."

"...Não quero que ele solte meu corpo nunca nunca nunca nunca."

"- Ele vai me dar um jantar? - Estou morrendo de fome meu estômago é um buraco atormentado de fome estou tão faminta tão faminta tão faminta"




Olha que peguei essas frases aleatoriamente, imagine se fosse analisar mais...

E outra coisa que precisava de corte eram as INTERMINÁVEIS DESCRIÇÕES DE SENTIMENTOS de Juliette! ERA EM TODO PENSAMENTO, EM TODO TÉRMINO DE FALA, EM TODO PARÁGRAFO que havia isso E DURANTE TODO O LIVRO e eu continuo me perguntando o POR QUE, PARA QUE, ISSO TUDO?! Ah, também era tanta analogia ruim, tanta metáfora ruim, tanto para descrever os sentimentos de dela quanto para todo o resto, que só consigo pensar que era para ficar bonito, romântico. Mas esse "floreamento" no texto só me pareceu forçado, irritante, chato, desnecessário e exagerado! - Veja bem, eu sou a primeira a querer que faça diferente, que não seja igual a todo mundo, mas isso aqui não dá! Era uma frase lida e revirava os olhos por não crer no que estava lendo!

Quer ver? Então mais um exemplo:

"...— Ei. — Sua voz é suave tão suave tão suave. Seus braços são mais fortes que todos os ossos de meu corpo. Ele puxa minha figura enfaixada para perto de seu peito e eu estilhaço. Dois três quatro mil estilhaços de sentimento perfuram-me o coração, derretem-se em gotas de mel quente que suavizam as cicatrizes de minha alma. O cobertor é a única barreira entre nós, e ele me puxa para mais perto, mais firme, mais forte, até que escuto as batidas a sussurrar-lhe profundas dentro do peito, e o aço de seus braços ao redor de meu corpo desfaz todos os nós de tensão em meus membros. Seu calor derrete os pingentes de gelo que me sustentam de dentro para fora e eu descongelo, descongelo, descongelo, meus olhos tremulando rápido até que caem fechados, até que lágrimas silenciosas estejam jorrando-me rosto abaixo e eu tenha decidido que a única coisa que quero é congelar seu corpo segurando o meu."

Decidi por um parágrafo que caba dizendo bastante sobre a escrita.

Embora esteja algo curiosa sobre a história, queria saber como acaba, de verdade ao pensar que teria que enfrentar essa escrita de novo já me faz perder a pouca vontade que tenho. Não sei se terei coragem para tal coisa.

p.s. Desculpem-me os "gritos", mas é que não havia como eu dizer isso de um modo "baixo", foi muito irritante.